O agronegócio brasileiro

Questo post è disponibile anche in: Italiano

Escritórios e salas de aula vazios, restaurantes e lojas a ver navios. O ano de 2020 será para sempre lembrado como o período em que o mundo enfrentou a crise desencadeada pelo Coronavírus. Neste mesmo ano, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) completou 160 anos com um novo desafio: promover medidas para garantir o abastecimento de alimentos e manter em funcionamento os serviços essenciais, como a fiscalização sanitária, além de diminuir os impactos da crise sobre a renda dos produtores rurais, principalmente dos pequenos e médios.

O Mapa instituiu então o Comitê CC-Agro-COVID19, formado por 14 integrantes de secretarias do ministério, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O objetivo principal do CC-Agro-COVID19, ainda ativo, é monitorar e propor estratégias para contornar os efeitos da pandemia na produção agrícola e no abastecimento.

Missão cumprida. Apesar da pandemia, o ano terminou com o setor agropecuário mantendo suas atividades e alcançando um bom desempenho. Considerado o maior produtor mundial de café e suco de laranja, o segundo maior produtor de açúcar, soja em grãos e de carnes bovina e de frango e o terceiro na produção de milho, o Brasil não deixou a desejar em tempos de Coronavírus, como ilustra o gráfico abaixo:

Ranking dos maiores faturamentos

Fonte: CNA (2020)

De acordo com a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o PIB do agronegócio brasileiro apresentou um crescimento notável de 2,06% em dezembro de 2020. Aumentando assim a participação do setor no PIB do país, que correspondeu a 26,6%. Em valores monetários, o Brasil encerrou o ano com um PIB de R$ 7,45 trilhões, enquanto o PIB do agronegócio brasileiro foi de R$ 2 trilhões.

E quais são as expectativas para o agronegócio em 2021? O agro deve continuar a contribuir de maneira significativa para a retomada da economia, a sustentação do emprego e da renda, assim como para a manutenção dos fluxos de importação frente a instabilidade do cenário econômico atual, ainda conturbado pela pandemia.

Segundo os mais recentes dados do Mapa, o agronegócio brasileiro exportou US$ 6,47 bilhões em fevereiro de 2021 (um aumento de 2,8% em relação ao mesmo mês do ano passado). E é o quarto maior exportador mundial de produtos agrícolas (atrás da União Europeia, Estados Unidos e China).

O setor gera ainda inúmeros empregos, absorvendo praticamente um de cada três trabalhadores brasileiros. De acordo com a mais recente Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD), do total de 94,4 milhões de trabalhadores entrevistados, 32,3% (30,5 milhões) pertenciam ao agronegócio.

 

 

 

Fontes:

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Mapa (2021).

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil; CNA (2021).